Conheça alguns esportes curiosos ao redor do mundo

Conheça alguns esportes curiosos ao redor do mundo

 

Buzkashi

Buzkashi (ou Kokpar) é o esporte mais barra pesada do mundo. É muito parecido com o polo, no qual os jogadores, de cima de seus cavalos, batem em uma bola com tacos e tentam marcar gols na área adversária. Um elitismo só. Buzkashi é praticamente igual. As únicas diferenças são que, em vez de uma bola, é usada a carcaça de uma cabra sem cabeça. E no lugar dos ricaços, temos jogadores, digamos, rústicos.
As regras variam, mas, em geral, os jogadores têm de agarrar a cabra decapitada, arrastá-la pelo campo e atirá-la em um determinado local, o “gol” adversário. Os outros atletas, chamados “chapandaz”, tentam pegar o bicho de volta. No Afeganistão, a federação local determinou que é contra as regras atacar ou derrubar os outros de seus cavalos deliberadamente, mas é claro que, para um esporte que é disputado com chicotes e paus em punho, fica difícil fazer um “gol” sem apanhar no trajeto. Bater nos cavalos dos adversários com os chicotes, tudo bem, é liberado pelas regras.

 

Kabbadi

Competicão de Kabaddi nos Jogos Asiáticos de 2006

Com milhares de praticantes na Índia, esse esporte é bastante simples. Basta que um dos competidores atravesse a área adversária e volte inteiro. Se retornar, ele marca pontos. Cada time possui 12 jogadores, todos fortes o suficiente para derrubar competidores de qualquer tamanho. Quem for “nocauteado”, é obrigado a abandonar o jogo.

 

Eukonkanto

Também conhecido como wife carryng, esse esporte consiste em carregar a esposa nas costas até a linha de chegada. Além de aguentar o peso, os maridos competidores são obrigados a atravessar diversos obstáculos. Esse esporte é praticado na Finlândia e tem como prêmio o peso da esposa em cerveja.

 

Royal Shrovetide Football

Imagine um esporte com dezenas de competidores disputando uma bola. Agora, imagine que esses competidores estão numa aglomeração (vide imagem acima). E trocam empurrões, socos e chutes. Podem participar pessoas de todas a idades. Mulheres também entram. Ganha quem colocar a bola dentro do gol.

 

Campeonato de sauna

Os finlandeses adoram uma sauna. Existem em torno de 3 milhões de saunas para uma população de pouco mais de 5 milhões de pessoas. O mais curioso é o campeonato mundial de sauna, realizado todos os anos na cidade de Heinola, perto da capital, Helsinque. A competição é simples: ganha quem consegue ficar mais tempo numa sauna a temperaturas que podem chegar a 110º Celsius.

 

Arremesso de celular

O esporte não tem limite de idade.

E já que falamos em Finlândia, você sabia que existe no país um campeonato de arremesso de celular? Ganha quem atirar o seu celular velho mais longe.

 

Boxe-xadrez

Com cada vez mais adeptos no Reino Unido e na Alemanha, o boxe-xadrez é isso mesmo que você pensou: um mistura de boxe com xadrez. Os competidores devem tem habilidades no tabuleiro e no ringue. Podem ganhar pela inteligência ou pela força.

 

Corrida do queijo

Praticado sobretudo no Reino Unido, a Corrida do Queijo atrai milhares de curiosos todos os anos. Os participantes devem correr atrás de um queijo de 4 quilos jogado do alto de uma colina. Ganha quem descer a colina mais rápido e atravessar uma linha de chegada. Não faltam tombos e ferimentos. O prêmio é, obviamente, o queijo.

 

Iatismo no gelo

Barco quebra-gelos

É uma espécie de corrida de barcos à vela, com uma única diferença: ela é praticada no gelo. Os barcos possuem rodas ou esquis para deslizar sobre a superfície gelada.

 

Skyaking

Seria uma simples prova de caiaque se não fosse por um detalhe: ao invés de disputá-la em corredeiras, ela é disputada no ar. Os participantes pulam com seus caiaques de aviões e tentam fazer manobras em queda livre. Ganha quem fizer as melhores manobras antes de abrir o paraquedas e cair em segurança.

 

Ulamaliztli

Trata-se de um esporte pré-colombiano das Américas do Norte e Central. As ruínas de arenas para esse tipo de esporte existem até hoje. Era uma espécie de futevôlei, com algumas diferenças: a bola era incandescente (acredite se quiser, o jogo era disputado com uma bola pegando fogo), os jogadores não podiam arremessá-la com as mãos e os pés, ela tinha que atravessar um arco e… a equipe perdedora jamais saía viva. Os perdedores eram sacrificados aos deuses. Um esporte parecido é ainda hoje praticado no México, com algumas diferenças (e ninguém termina pagando com a própria vida).

 

Fontes: Guia dos Curiosos, Brasil Post, Mundo Estranho, Super Listas, Wikipédia